Depois de uma década promovendo grandes conferências e cúpulas, em setembro de 2000, líderes mundiais se reuniram na sede das Nações Unidas em Nova York para adotar a Declaração do Milênio das Nações Unidas, comprometendo suas nações a uma nova parceria global para reduzir a pobreza extrema e estabeleceram outras metas com o prazo de que fossem cumpridas até 2015, Este esforço ficou conhecido como Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM).

Findado o prazo, ainda havia muito o que ser feito também em outras áreas que não estavam previstas, por isso, os países signatários da Organização das Nações Unidas ampliaram o seu escopo de atuação, incluindo as questões climáticas que haviam sido expostas no evento Rio+20. Então, pensou-se em um documento pós-2015, com a participação da sociedade civil e outros grupos interessados em implantar, então uma Agenda para 2030, que foi chamada de Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS). São dezessete tópicos que conheceremos, a seguir.

Conversando com a professora Manuela Gazzoni dos Passos, coordenadora do Grupo de Trabalho (GT) de Sustentabilidade da Unoesc Chapecó, passamos a entender um pouco melhor sobre o que tratavam tais Objetivos e o que a Unoesc faz neste sentido.

 

Os ODS foram ditados por vários países, que encaminham os seus projetos de acordo com as suas realidades. O Brasil já atende a algumas destas metas e luta para alcançar as que ainda faltam cumprir. Mas a responsabilidade não é apenas dos governos, mas também da sociedade – entidades, empresas, indústrias, pessoa física, cidadão, precisamos também, através das nossas ações, buscar atender estes Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis.

 

A professora conta que há diversas entidades buscando esta excelência e sendo reconhecidas por isso. É bom para a imagem da empresa estar atrelada a um projeto que pretende barrar a pobreza, pensa em uma agricultura sustentável e no bem-estar de todos, entre outros ODS. Qualquer pessoa física ou jurídica pode ser um signatário do Movimento ODS BR ou SC. São reuniões mensais que trazem discussões, levantamento, informações acerca dos 17 Objetivos.

Há diversas entidades buscando isso: o ODS Brasil, o Movimento ODS, a Rede ODS, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que estão em conversa com os diversos atores, sejam públicos, privados, para fazer este trabalho de manter como sobrevivem as metas este ambiente porque tem diversas entidades envolvidas em buscar estes ODS. Ainda temos instituições como a FIESC, Governo do Estado, Polícia Ambiental e a Unoesc, que estão levando a sério estes objetivos.

Manuela diz que, para se ter uma ideia da extensão destes Objetivos, todos os projetos que são enviados para a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) precisam observar o cumprimento dos ODS, assim como parte dos editais federais. E quanto à Unoesc, a universidade traz a sustentabilidade como missão, trabalhando o desenvolvimento regional. Enquanto instituição, tem como papel formar técnicos, mas também cidadãos. A sustentabilidade tem sido trabalhada de forma disciplinar dentro da formação humana, que é papel das universidades.

A Unoesc participa do Movimento ODS-SC. Dentro dos temas objetivados, estão questões relacionadas às águas. Neste sentido, a instituição está representada no Comitê de Bacias, nos campi de São Miguel do Oeste, Chapecó e Joaçaba. Nos dois últimos, ocupa a Secretaria Executiva. Estar dentro deste Comitê, atende ao objetivo que fala de água e saneamento; estar no Conselho das Mulheres, atende ao objetivo que fala em igualdade de gênero. Tudo isso, a nossa responsabilidade social de estar presente na comunidade e participante também ajuda a atender a estes objetivos.

A Unoesc também se insere na sociedade, participando dos mais diversos conselhos. E posso me usar como exemplo. Eu sou Secretaria executiva do Comitê de Bacias, Vice coordenadora do Movimento ODs Chapecó, além de ser membros do Conselho Flona Chapecó e também do Fórum de Resíduos de Chapecó e do Núcleo de Sustentabilidade da ACIC, e na Câmara técnica do Concidade.

 O Grupo de Trabalho (GT) de Sustentabilidade, a Unoesc Chapecó é responsável por mensurar todas as ações do para que atenda a determinados ODS. Desde eventos como Semanas Acadêmicas, onde orienta-se inclusive as temáticas ou até mesmo detalhes do evento. Seja qual for a ação, sempre se pensa e se orienta a partir dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Além disso outras ações pontuais, como a retirada do uso de copos plásticos nos bebedouros, substituição das lixeiras, composteira, tudo isso está sendo feito dentro da Unoesc Chapecó.

Apresentamos, a seguir, os dezessete Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e um pequeno resumo do que eles pretendem. Em cada um deles há um link para que se possa conhecer cada proposta por inteiro:

 

 

ODS 1 – ERRADICAÇÃO DA POBREZA – Acabar com a pobreza em todas as suas formas e em todos os lugares.

Atualmente, é considerado pobre quem tem um rendimento inferior a U$1,90/dia. Até 2030, o programa visa implementar medidas de proteção social adequados, incluindo pobres e vulneráveis, além de garantir acesso aos serviços básicos, às novas tecnologias e aos serviços financeiros, entre outros benefícios a esta população.

 

ODS 2 – FOME ZERO E AGRICULTURA SUSTENTÁVEL – Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável.

Acabar com a fome, garantindo a todas as populações alimentos nutritivos durante todo o ano; acabar com todas as formas de desnutrição; dobrar a produtividade agrícola e a renda dos pequenos produtores de alimentos; aumentar os investimentos na infraestrutura rural, incluindo pesquisa e extensão de serviços agrícolas entre outros cuidados com esta área.

 

ODS 3 – SAÚDE E BEM-ESTAR – Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades

A intenção é, até 2030, é reduzir a morte materna global para menos de 70 mortes para cada 100 mil nascidos vivos; reduzir também as mortes evitáveis de recém-nascidos e crianças até 5 anos de idade para 25 para cada mil nascidos vivos. A intenção é acabar com as epidemias como AIDS, malária e a tuberculose, combater a hepatite e as doenças transmitidas pela água e outras doenças transmissíveis. Entre os temas relacionados à saúde, está ainda atingir a cobertura universal da saúde, com acesso a medicamentos e vacinas.

 

ODS 4 – EDUCAÇÃO DE QUALIDADE – Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos.

Garantir qualidade na primeira infância, cuidados e educação pré-escolar, prontos para o ensino primário; assegurar a educação técnica, profissional e superior de qualidade, a preços acessíveis; eliminar a disparidade de gêneros na educação e garantir igualdade de acesso. Construir e melhorar as instalações físicas para a educação, apropriadas às crianças e sensíveis às deficiências e aos gêneros, sendo ambientes seguros. Ampliar as bolsas de estudo para os países em desenvolvimento e menos desenvolvidos e aumentar o contingente de professores qualificados é parte do que prevê este objetivo ligado à educação.

 

ODS 5 – IGUALDADE DE GÊNERO – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

Acabar com todas as formas de discriminação a mulheres e meninas, eliminando a exploração sexual e todas as formas de violência. Garantir a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades; adotar e fortalecer políticas sólidas e legislação aplicável para a promoção da igualdade de gênero estão entre as medidas a serem tomadas.

 

ODS 6 – ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO – Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos.

Alcançar o acesso ao saneamento e à higiene adequados e equitativos para todos, melhorando a qualidade da água, reduzindo a poluição, eliminando despejo e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas e aumentando substancialmente a reciclagem e reutilização segura. Implementar a gestão integrada dos recursos hídricos e apoiar e fortalecer a participação das comunidades locais, para melhorar a gestão da água e do saneamento são considerados elementos-chaves para se alcançar este objetivo.

 

ODS 7 – ENERGIA LIMPA E ACESSÍVEL – Assegurar o acesso confiável e sustentável, moderno, e o preço acessível à energia para todas e todos.

Até 2030, aumentar substancialmente a participação de energias renováveis na matriz energética global e dobrar a taxa global de melhoria da eficiência energética, além de reforçar a cooperação internacional para facilitar o acesso a pesquisa e tecnologias de energia limpa, dando apoio à modernização destas tecnologias.

 

ODS 8 – TRABAHO DECENTE E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todas e todos.

Promover políticas orientadas para o desenvolvimento que apoiem as atividades produtivas, geração de emprego decente, empreendedorismo, criatividade e inovação, e incentivar a formalização e o crescimento das micro, pequenas e médias empresas, inclusive por meio do acesso a serviços financeiros Tomar medidas imediatas e eficazes para erradicar o trabalho forçado, acabar com a escravidão moderna e o tráfico de pessoas, e assegurar a proibição e eliminação das piores formas de trabalho infantil, incluindo recrutamento e utilização de crianças-soldado, e até 2025 acabar com o trabalho infantil em todas as suas formas. os direitos trabalhistas e promover ambientes de trabalho seguros e protegidos para todos os trabalhadores, incluindo os trabalhadores migrantes, em particular as mulheres migrantes, e pessoas em empregos precários, entre outras determinações.

 

ODS 9 – INDÚSTRIA, INOVAÇÃO E INFRAESTRUTURA – Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação.

 Aumentar o acesso das pequenas indústrias e outras empresas, particularmente em países em desenvolvimento, aos serviços financeiros, incluindo crédito acessível e sua integração em cadeias de valor e mercados. Fortalecer a pesquisa científica, melhorar as capacidades tecnológicas de setores industriais em todos os países, particularmente os países em desenvolvimento, inclusive, até 2030, incentivando a inovação e aumentando substancialmente o número de trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento por milhão de pessoas e os gastos público e privado em pesquisa e desenvolvimento.

 

ODS 10 – REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES – Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles.

Até 2030, progressivamente alcançar e sustentar o crescimento da renda dos 40% da população mais pobre a uma taxa maior que a média nacional. Facilitar a migração e a mobilidade ordenada, segura, regular e responsável das pessoas, inclusive por meio da implementação de políticas de migração planejadas e bem geridas. Implementar o princípio do tratamento especial e diferenciado para países em desenvolvimento, em particular os países menos desenvolvidos, em conformidade com os acordos da OMC

 

ODS 11 – CIDADES E COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS – Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis

Até 2030, garantir o acesso de todos à habitação segura, adequada e a preço acessível, e aos serviços básicos e urbanizar as favelas; proporcionar o acesso a sistemas de transporte seguros, acessíveis, sustentáveis e a preço acessível para todos, melhorando a segurança rodoviária por meio da expansão dos transportes públicos, com especial atenção para as necessidades das pessoas em situação de vulnerabilidade, mulheres, crianças, pessoas com deficiência e idosos  e aumentar a urbanização inclusiva e sustentável, e as capacidades para o planejamento e gestão de assentamentos humanos participativos, integrados e sustentáveis, em todos os países.

 

ODS 12 – CONSUMO E PRODUÇÃO RESPONSÁVEIS – Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis

Implementar o Plano Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis, com todos os países tomando medidas, e os países desenvolvidos assumindo a liderança, tendo em conta o desenvolvimento e as capacidades dos países em desenvolvimento. Desenvolver e implementar ferramentas para monitorar os impactos do desenvolvimento sustentável para o turismo sustentável, que gera empregos, promove a cultura e os produtos locais

 

ODS 13 – AÇÃO CONTRA A MUDANÇA GLOBAL DO CLIMA – Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos

Melhorar a educação, aumentar a conscientização e a capacidade humana e institucional sobre mitigação, adaptação, redução de impacto e alerta precoce da mudança do clima. Promover mecanismos para a criação de capacidades para o planejamento relacionado à mudança do clima e à gestão eficaz, nos países menos desenvolvidos, inclusive com foco em mulheres, jovens, comunidades locais e marginalizadas.

 

ODS14 – VIDA NA ÁGUA – Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável

Minimizar e enfrentar os impactos da acidificação dos oceanos, inclusive por meio do reforço da cooperação científica em todos os níveis. Aumentar o conhecimento científico, desenvolver capacidades de pesquisa e transferir tecnologia marinha, tendo em conta os critérios e orientações sobre a Transferência de Tecnologia Marinha da Comissão Oceanográfica Intergovernamental, a fim de melhorar a saúde dos oceanos e aumentar a contribuição da biodiversidade marinha para o desenvolvimento dos países em desenvolvimento, em particular os pequenos Estados insulares em desenvolvimento e os países menos desenvolvidos.

 

ODS 15 – VIDA TERRESTRE – Proteger recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda da biodiversidade

Tomar medidas urgentes e significativas para reduzir a degradação de habitat naturais, deter a perda de biodiversidade.  Mobilizar e aumentar significativamente, a partir de todas as fontes, os recursos financeiros para a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos ecossistemas. Mobilizar recursos significativos de todas as fontes e em todos os níveis para financiar o manejo florestal sustentável e proporcionar incentivos adequados aos países em desenvolvimento para promover o manejo florestal sustentável, inclusive para a conservação e o reflorestamento

 

ODS 16 – PAZ, JUSTIÇA E INSTITUIÇÕES EFICAZES – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todas e todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis

Reduzir substancialmente a corrupção e o suborno em todas as suas formas. Desenvolver instituições eficazes, responsáveis e transparentes em todos os níveis. Ampliar e fortalecer a participação dos países em desenvolvimento nas instituições de governança global. Promover e fazer cumprir leis e políticas não discriminatórias para o desenvolvimento sustentável

 

ODS 17 – PARCERIAS E MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO – Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

Os objetivos são divididos em assuntos relativos às finanças, à tecnologia, a capacitação, ao comercio, às questões sistêmicas, que prevêem coerência de política e institucional, as parcerias multissetoriais, além de dados, monitoramento e prestação de contas.

Deixe seu comentário pelo Facebook