A assessora pedagógica da Secretaria Municipal de Educação de São Miguel do Oeste, Jaqueline Gaboardi, formou-se em 2009, no curso de Pedagogia da Unoesc.  Ela conta que, quando iniciou a graduação, já começou a atuar na rede municipal de ensino como auxiliar de creche. Logo após se graduar, trabalhou como professora da Educação Infantil. Em 2012, foi aprovada no concurso público e conquistou a vaga de coordenadora pedagógica. Há 3 anos, ela atua como assessora pedagógica da Secretaria de Educação e diz que o seu dia a dia é marcado por desafios e muito conhecimento.  Na entrevista a seguir, Jaqueline relata os desafios da profissão e por que escolheu ser pedagoga.

 

1) Por que você optou em ser pedagoga?

Ser pedagoga era um sonho que se tornou realidade. Venho de uma família de professoras e, desde cedo, vi as minhas tias envolvidas nesse mundo da escola. Ganhei muitos livros de presente e aprendi a ler cedo. O mundo da escola, dos livros e dos brinquedos diferenciados sempre me encantou. Além disso, brincava muito de escolinha com meus primos e amigos. Nunca pensei em trabalhar em outra área.

 

2) Quais os principais desafios que você enfrenta no seu dia a dia?

O maior desafio é conseguir atingir os objetivos dos direitos da aprendizagem das crianças, para que todas consigam se desenvolver, aprender e ampliar os conhecimentos. É nossa obrigação proporcionar condições e possibilidades para que elas tenham os direitos de aprendizagem. É um desafio conseguir que as crianças com dificuldades, deficiências, transtornos e com patologias avancem nesse processo. Além disso, é necessário termos a família próxima do nosso trabalho. O aluno avança muito mais rápido com o estímulo dos familiares.

 

3) Qual mensagem você quer passar aos futuros pedagogos?

É preciso muito comprometimento e responsabilidade para trabalhar na área da educação. Ao escolher o curso de Pedagogia, temos que ter em mente que estamos participando da personalidade da criança, da formação de valores e da formação da própria pessoa. Lidamos com vidas e isso vai além do pedagógico. Precisa envolver muito amor, carinho, compreensão e paciência. Nós, pedagogos, fazemos a diferença na vida dos alunos. Em algumas situações, somos a referência para as crianças que não têm pai e mãe. Para ser professor é preciso muita responsabilidade, amor, comprometimento e gostar do que faz. Nós, professores, transformamos vidas!

Jaqueline Gaboardi

Texto e Foto: Karine Bender/Ascom Unoesc

 

Deixe seu comentário pelo Facebook