Havia algo que nos intrigava. Quando nos falam acerca dos cuidados que devemos ter para não nos contaminarmos com o Novo Coronavírus (Covid-19), os profissionais da saúde sempre ressaltam a informação de que devemos evitar tocar nas paredes, nos corrimões, nos botões de elevadores, nos interfones, em tudo. Porque o vírus entra pela boca, através da mão – ou pelo trato respiratório superior (nariz). É uma matemática até meio confusa ficar imaginando o caminho que ele percorre. Tudo bem, obedece-se. Mas pensamos, neste sentido, no trabalho dos dentistas, que são os profissionais que lidam diretamente com a boca dos pacientes. Com esta curiosidade e alguns questionamentos, procuramos a coordenadora do curso de Odontologia da Unoesc São Miguel do Oeste, professora Michele Gassen Kellermann para que nos contasse sobre esta relação.

 

Sabe-se que o atendimento odontológico está associado com alto risco de exposição e disseminação viral pela proximidade face a face entre pacientes e profissional cirurgião-dentista (CD), contato com saliva, sangue e produção de aerossóis. Dessa forma, medidas rígidas de biossegurança são fundamentais para evitar a transmissão de microrganismos. Em situações de surtos e epidemias os cuidados com a prática odontológica tornam-se ainda mais importantes a fim de que profissionais e pacientes estejam protegidos. Nessas situações, os cuidados devem ser rigorosamente seguidos pelos profissionais odontólogos, assumindo-se que qualquer pessoa está potencialmente infectada.

 

Novamente afirmamos o quanto devemos valorizar cada profissional que se dedica ao tratamento de prováveis infectados, expondo-se para ajudar a diagnosticar e quem sabe até salvar estas vidas. Desta forma, entendemos que os procedimentos realizados pelos cirurgiões-dentistas elevam o risco de contaminação e disseminação do novo coronavírus. A professora Michele nos conta que na área odontológica, a principal via de transmissão é o aerossol gerado pela alta rotação (motorzinho) contendo fluídos como sangue e saliva. Assim, o dentista deve adotar medidas rígidas para conservar os ambientes do alto risco biológico. Por isso é muito importante que a higienização seja frequente.

 

 Para minimizar a contaminação, o profissional deve realizar com frequência uma lavagem criteriosa das mãos antes e após o atendimento e usar equipamentos de proteção individual, incluindo protetores de face ou viseiras para conferir uma maior proteção.

 

Como uma das principais portas de entrada do vírus é a boca, é muito importante manter uma higiene oral adequada. Esta é também uma forma importante de prevenção de doenças durante a pandemia. Deve-se realizar a higiene das mãos, antes da higienização da cavidade oral, como as mãos são fundamentais para higiene oral, é importante que estejam bem limpas para serem levadas a boca.

 

O estado de saúde de um paciente com covid-19 pode ser agravado, caso a higiene bucal não seja realizada ou seja realizada de forma incorreta. Uma vez que a higienização da cavidade oral pode evitar problemas pulmonares que agravam o quadro da doença.

 

Também se deve considerar o importante papel dos dentistas no esclarecimento ao paciente e seus acompanhantes sobre a prevenção e propagação do vírus, através da veiculação de informações adequadas, implementação da etiqueta respiratória e orientações sobre a higiene correta das mãos. As clínicas podem adotar medidas adicionais como a remoção de revistas na sala de espera, disponibilizar informações preventivas e álcool gel para o paciente.

 

Deixe seu comentário pelo Facebook