Redes sociais

Há não muito tempo estávamos assistindo à televisão aberta, o jornal da noite, para conhecer de fato quem eram as grandes empresas poderosas que tinham condições de desembolsar cifras milionárias para que suas marcas aparecem no horário nobre da Televisão brasileira. Já na América do Norte, o intervalo do Super Bowl, chegou a ser considerado o break mais caro do mundo, chegando a custar US$ 5,05 milhões por 30 segundos na edição de 2018. Mas o que mudou de 2007 para cá? Todos sabemos a resposta: a Internet e o Marketing Digital.

A bolha da Internet aconteceu de maneira especulativa entre 1994 até 2000, caracterizada por uma forte alta das ações das novas empresas de tecnologia da informação e comunicação (TIC) baseadas na Internet. A partir de 2007 com a expansão da banda larga, as pessoas começaram a consumir web de uma forma nunca vista, através de dispositivos mobiles. E hoje chegamos a um cenário onde a grande maioria da população está conectada mais de 9h por dia e acessando as redes sociais por aproximadamente a metade deste tempo on-line. Obviamente, o meio publicitário entendeu ser um mercado em franca expansão e começou a atuar de forma intensa no ambiente digital e não obstante os “falsos profetas” começaram a surgir por todos os lados.

Adolescentes com conhecimento raso e superficial fazendo post patrocinado se intitulando Social Media, pessoas sem formação alguma prospectando clientes, dizendo possuírem a fórmula mágica para o sucesso e falsos publicitários ganhando dinheiro sem dar retorno aos seus clientes. Depois disso, começaram a surgir todos os tipos de “cursos rápidos” de Marketing Digital na Internet, todos prometendo transformar um “simples mortal” em um grande profissional.

A partir deste cenário cabe uma importante reflexão para todos aqueles empresários que almejam o sucesso no mercado virtual e todas aquelas pessoas que buscam receitas baratas e fáceis para se transformar em um profissional da comunicação. Não existe fórmula mágica, o que existe é muito estudo, formação adequada na área da comunicação ou afins, conhecimento pleno de mercado e suas ferramentas, que constantemente estão em transformação, e um bom senso em perceber que um Planejamento de Marketing e Comunicação e uma Mensuração minuciosa só podem ser feitos por profissionais realmente formados e capacitados para tal. “Post Patrocinado” não é Marketing Digital, uma “arte bonita” nas redes sociais não é Marketing Digital. Atuar no Digital é somar esforços em diferentes níveis que envolvem desde estatística básica até estudo de SEO, Big Data, Inbound Marketing, Marketing de Conteúdo e muito mais.

Percebo muitos “falsos profetas” dando dicas de Social Media e vendendo cursos de WhatsApp sem conhecimento nenhum de causa, apenas buscando tutoriais da Internet para aprender algum conteúdo.  Um recado para o empresário: Assim como você deve olhar a tabela nutricional no rótulo de um produto antes de consumir, deve também analisar quem é o profissional que você está contratando para cuidar do marketing e da comunicação da sua empresa. Muitas vezes, o barato sai caro e escolhas erradas podem ter consequências desastrosas no futuro. Os empresários devem cuidar da imagem das suas empresas como cuidam de outros setores, cabendo assim, o bom senso em saber o que escolher, analisando qual o resultado daquilo que se quer. Por fim, para o empresário, sugiro que verifique sempre a formação dos profissionais que está contratando para sua empresa; e para aqueles que buscam atuar na área da comunicação busquem sempre uma universidade conceituada que tenha um curso referência na área do marketing e da comunicação.

Redes sociais

Texto:  Coordenador Curso de Publicidade e Propaganda Unoesc Joaçaba professor Paulo Ricardo dos Santos

Deixe seu comentário pelo Facebook