Como combinado na última postagem, hoje falaremos sobre as obras literárias que foram selecionadas para o Vestibular ACAFE Verão 2022, para os estudantes que pretendem cursar Medicina na Unoesc Joaçaba. Interessados em cursar qualquer um dos outros  26 cursos, podem pleitear uma vaga por meio do Seletivo.

Procuramos a professora mestra Lia Fausta Bonilla Colomé para nos dar algumas dicas sobre como devemos ler estas obras, quais as questões as quais devemos ficar atentos para obtermos um melhor aproveitamento desta leitura. Lia dá aulas de Literatura Infantil, Produção de Texto, Linguística e Estudos Teórico-Práticos da Língua Portuguesa na Unoesc Videira.

A professora começa dizendo que este conhecimento nos deveria despertar prazer e alegria, um encontro com a nossa cultura, e não um fardo, como alguns o encaram. Além de ser um trabalho intelectual, a leitura pode ser levada como uma terapia.

 

Sempre proponho aos meus alunos a leitura integral dos livros solicitados nas listas dos vestibulares, sugiro investigarmos a vida do autor para compreendermos suas linhas e entrelinhas. Dentro do possível, saber quem é esse cidadão, como é o seu processo de criação, quais seus trabalhos, sua biografia.

 

Para ajudar nesta compreensão, Lia destaca que há análises feitas por estudiosos, a respeito de obras e autores, que podem ser acessados em portais e revistas literárias. Ainda é possível se fazer este reconhecimento por meio de músicas, filmes, documentários. A literatura é uma excelente fonte de criação para as outras artes e linguagens. Buscar estas referências também pode ajudar a se ter uma leitura mais ampla sobre o tempo em que a história se passa e as situações literárias, políticas e sócias que estão a ele associadas.

 

Acredito que é fundamental humanizar o autor. Como foi sua infância e juventude, se casou, se teve filhos, se tinha outra atividade de trabalho, sua formação acadêmica, que autores leu, qual seu time do coração, se foi ou é contemporâneo de outros autores, se teve vínculos políticos ou não, tudo, absolutamente tudo ajuda no conhecimento e, creio, ajudará no entendimento da sua obra.

 

Dito isto, apresentaremos, a seguir, um pouco sobre cada obra e autor que devem ser lidos por aqueles que pretendem dar este passo rumo ao Ensino Superior.

 

 

MELHORES CONTOS – LYGIA FAGUNDES TELLES

 

Lygia Fagundes Telles é formada em Direito. Fez parte da terceira geração modernista, juntamente com Ariano Suassuna, João Cabral de Mello Netto, João Guimarães Rosa e Clarice Lispector. Suas obras são prosas intimistas, centradas na dimensão psicológica dos personagens. Algumas vezes marcadas pelo realismo mágico/fantástico. Não deixando de lado a visão política e social da sociedade.

Recebeu as principais premiações literárias, como o Jabuti (1965, 1974, 1980, 1995, 2001) e o Camões (2005).

Ocupa a cadeira 16 da Academia Brasileira de Letras desde 1987, quando foi recebida pelo acadêmico Eduardo Portella, que foi o encarregado pela seleção dos 16 Melhores Contos que estão neste livro. As relações humanas e a condição da mulher na sociedade contemporânea fazem parte das inquietações de Lygia Fagundes Telles que apresenta, inclusive, contos fantásticos nesta seleção.

 

Índice do livro: Verde Lagarto Amarelo; Apenas um saxofone; Antes do Baile Verde; Eu era mudo e só; As pérolas; Herbarium; Pomba enamorada ou Uma história de amor; Seminário dos Ratos; A confissão de Leontina; Missa do Galo; A estrutura da bolha de sabão; A caçada; As formigas; Noturno amarelo; A presença; A mão no ombro)

 

 

CRÔNICAS PARA JOVENS: DE AMOR E AMIZADE – CLARICE LISPECTOR

 

Clarice Lispector foi uma Jornalista e escritora que nasceu na Ucrânia e se mudou para o Brasil com dois meses de idade. Seus pais eram judeus e foram forçados a deixar o seu país durante a Guerra Civil Russa. Morou primeiramente em Maceió, depois no Recife e finalmente no Rio de Janeiro. Autora de romances, contos e ensaios. O seu primeiro livro já repercutiu como sendo uma quebra ao que se vinha fazendo até aquele momento. Perto do Coração Selvagem não apresentava início, meio e fim e misturava prosa e poesia. Sua obra é considerada filosófica e existencial, intimista e psicológica. Assim como Lygia Fagundes Telles, fez parte da terceira geração modernista.

 Crônicas para Jovens: de Amor e Amizade é uma Coletânea póstuma, organizada por Pedro Karp Vasquez, publicada em 2010. Clarice faleceu em 1977. Apesar de ter sido considerada uma escritora hermética, os textos selecionados mostram uma escritora mais solta. Ela foi cronista do Jornal do Brasil entre 1967 a 1974, onde aceitava sugestões temáticas dos leitores.

 Índice do livro: Amor imorredouro; A favor do medo; Uma revolta; A descoberta do mundo; Ao que leva o amor; Quem escreveu isto?; Vida natural; Um homem; Homem se ajoelhar; Por não estarem distraídos; O primeiro beijo; Viagem de trem; Desencontro; A comunicação muda; O presente; Mas há a vida; Dar-se fim; Por causa de um bule de bico rachado; Por que?; Sem aviso; Uma história de tanto amor; Nossa truculência; Amor; Amor, quati, cão, feminino e masculino; As grandes punições; Lúcio Cardoso; As dores da sobrevivência: Sérgio Porto; San Tiago; Tanto esforço; Prece por um padre; Um pedido; O grito; O suéter; Olhava longe, sem rancor; Liberdade; Amor a ele; Três encontros que são quatro; Dies Irae; O grupo; Supondo o certo; Os grandes amigos; Uma experiência; Saudade.

 

 

CEMITÉRIO DOS VIVOS – LIMA BARRETO

 

Lima Barreto foi um jornalista e escritor brasileiro. Publicou romances, sátiras, contos, crônicas, além de obra vasta em periódicos. Descendente de escravos, sofreu com alcoolismo e outras doenças, tendo sido internado mais de uma vez em hospícios. A sua obra mostra uma visão crítica da sociedade; trabalha com a ironia e as questões do preconceito racial. O fato de ser afilhado do Visconde do Ouro Preto permitiu que ele estudasse no Colégio Pedro II. Candidatou-se três vezes à Academia Brasileira de Letras, não obtendo sucesso. Sua obra se encontra em um período entre o Simbolismo e o Modernismo, conhecida como Pré-modernismo. Desta forma, já não se nota um nacionalismo exacerbado, mas sim uma crítica social e política.

Cemitério dos Vivos é um romance inacabado, escrito durante uma das internações no Hospital Nacional dos Alienados, na Urca, no Rio de Janeiro, entre 1919 e 1920. Narra a desventura de um funcionário público frustrado, cuja vida depressiva conduz à depressão, ao alcoolismo e ao internamento. Trata-se de um romance autobiográfico, inspirado também em Recordação da Casa dos Mortos, de Dostoievski.

 

 

NEGRO – CRUZ E SOUZA

 

Cruz e Souza nasceu em Nossa Senhora do Desterro (Florianópolis), filho de escravos alforriados – mestre-pedreiro e lavadeira-  porém, recebeu a tutela e foi criado pelo seu ex-senhor, de quem adotou o sobrenome Souza. Pelas mãos da sua “mãe adotiva” aprendeu francês, grego e latim. Além disso, aprendeu ciências naturais e matemáticas com o alemão Fritz Muller, de quem foi discípulo. Cruz e Souza usava a Tribuna Popular, jornal que ele editava, para combater a escravidão. Foi também arquivista na Estrada de Ferro Central do Brasil e escreveu para outros jornais.

Negro é um conjunto de textos nos quais o poeta simbolista exprime sua condição de negro e a consciência da negritude. Organizado pela professora e pesquisadora Zilma Gesser Nunes, do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas (DLLV/UFSC).

 

Índice do livro –  POESIAS – Escravocratas; Da senzala; Dilema; Auréola equatorial; 25 de março; Eterno sonho; Rosa negra; Titãs negros; À pátria livre; Libertas; Entre luz e sombra; As devotas; Levantem esta bandeira; Grito de guerra; Olhos pretos; Crianças negras; Afra; Monja negra; Canção negra; Livre!; Cárcere das almas; Benditas cadeias!; Vinho negro; O assinalado; ÍNDICE PROSA – O padre; Abolicionismo; Histórias simples (contém oito capítulos); Consciência tranquila; O abolicionismo; Tenebrosa; Dor negra; Asco e dor; Emparedado; ÍNDICE CORRESPONDÊNCIAS – À sociedade carnavalesca diabo a quatro; A Germano Wendhausen; A Virgílio Várzea; A Araújo Figueiredo.

 

OS MILAGRES DO CÃO JERÔNIMO – ALÇAPÃO PARA GIGANTES

– PÉRICLES PRADE

 

Péricles Prade é escritor, advogado e jornalista catarinense. Crítico de arte e literário e professor universitário. Membro da Academia Paulista de Direito, do Instituto Brasileiro de Direito Constitucional, da Academia de Ciências de Roma, da Associação Brasileira de Magistrados Federais, da Associação dos Advogados de São Paulo e da Ordem dos Advogados do Brasil (secções de São Paulo e de Santa Catarina). Foi presidente da União Brasileira de Escritores (UBE) de 1980 a 1982. Escreveu mais de sessenta livros entre poesia, ficção, filosofia, artes e cultura.

Os Milagres do Cão Jerônimo – Alçapão para Gigantes apresenta contos fantasiosos que beiram ao surrealismo. Na primeira parte, a fantasia traz criança com olhos de abelha e cavalos que voam, narrativas religiosas, dentaduras com vida própria, sapatos suicidas. Na segunda parte, unicórnio com asas preso a uma jaula e outras fantasias.

 

Índice do livro: A filha do Rei Anjaharamara; No hipódromo; As nove cantoras paralíticas; O sábio; O herói salva a cidade dentro de um sapato; A dentadura; O pecado original; O monge Astheros; Alexandria; A simples morte pelo punhal; O tapete indiano; A maravilhosa história de um tatu; A perna; No museu; Os milagres do cão Jerônimo; ÍNDICE ALÇAPÃO PARA GIGANTES – Alçapão para gigantes; O segredo; O vulnerável destino de um rato; O servo de Schedin; A grande concha; O demônio e as margaridas; O tigre; Mirsânia, a estrategista; Depoimento de um filho adotivo; O cavalo de Mergoror; O touro e o rio; O unicórnio voador.