Podemos afirmar que o  II Seminário Multidisciplinar de Direito, promovido pelo curso de Direito da Unoesc Joaçaba, foi um sucesso, acompanhado por 684 participantes, que tomaram contato com os assuntos que estão sendo discutidos nas mais diversas áreas do Direito. Organizado pelos professores Magda Cristiane Detsch da Silva, Cristhian Magnus de Marco, Paulo Junior Trindade dos Santos, Darci Guimarães Ribeiro e Gabriela Samrsla Moller, o evento foi disponibilizado de forma on-line e gratuito. A pedido da organização, os participantes doaram alimentos e materiais de higiene no valor de R$ 30, que será repassado a comunidades carentes da cidade.

Na tarde anterior ao início do Seminário, na quarta-feira (13), a professora Magda, coordenadora do Curso de Direto da Unoesc Joaçaba, juntamente com a professora Gabriela Möller, participaram de um bate-papo com Fernanda Mingori, transmitido pela Rádio Unoesc FM 106,7 e também pelo Facebook da rádio.  A professora Gabriela falou das expectativas:

 

 

O Direito é um mundo. Tem várias áreas que interessam aos alunos e nós buscamos trazer um pouco de cada área sempre. A gente vai ter desde Direito Ambiental, Processo Penal. Direito Processual Civil, Sociologia do Direito. A nossa proposta é dar um gostinho para o aluno.

 

Já na primeira noite, teve a participação do Juiz do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Samer Agi, muito conhecido pelos estudantes de Graduação por trazer discursos motivacionais e direcionamentos profissionais. A palestra pode ser conferida no Youtube da Unoesc Oficial.

Samer Agi conta que hoje são aproximadamente 800 mil estudantes de Direito e um milhão de advogados na ativa. Ele diz que, a partir do momento em que se entra na faculdade de Direito, começa a contagem regressiva. Ninguém quer passar mais que os cinco anos estudando. Porém, ao se formar, encontra-se um mercado competitivo, com um número exacerbado de profissionais – muitos desqualificados.

Na terça-feira (18), as palestras se ambientaram na relação do Direito com a obstetrícia. A professora Daiane Garcia Masson diz que este tema foi uma escolha baseada nas suas vivências a respeito da situação obstetrícia nacional e regional, desde 2015.

 

 

O conceito de violência obstétrica não tem a função de denegrir a imagem de médicos. A ideia é que as mulheres – e também os seus companheiros – entendam o que significa ser maltratada, ser submetida a procedimentos invasivos e não respaldados na ciência, durante os atendimentos do pré-natal, do parto e do pós-parto. E para que elas consigam cobrar dos profissionais uma atenção melhor, elas precisam saber que elas têm esse direito.

 

Daiane diz que, enquanto operadores do Direito, atuarão tanto na defesa dessas mulheres, mas também poderão encontrar essas situações no Ministério Público ou na Defensoria Pública, onde vão atender a um contingente de pessoas hipossuficientes, necessitando de Justiça.

 

 A gente pôde conversar com a assistente social Daniele Beatriz Manfrini, que atua no Ministério Público (MP/SC) que falou sobre a sua tese, que versava sobre o assunto. Além da fotógrafa Ellen Mendes, que vivencia muitas situações porque ela é fotógrafa de partos, então ela acompanha as gestantes e observa muita coisa acontecendo dentro dos hospitais. E ainda a doula Rachel da Costa, que acompanha gestantes e já viu milhares de situações horríveis, na sua presença.

 

 

Na terça-feira (18) à noite, o destaque foi o médico, doutor Pablo Queiroz Santos, que é filho de um dos maiores nomes da humanização no nascimento. Depois dele, a advogada Paola Deschamps, falou sobre as ações em que atua para coibir essas violências contra as mulheres.

Quarta-feira (19), foi dia de falar em Direito Previdenciário, Planejamento Urbano, Economia, Sociologia, Identidades Raciais, Aposentadoria e Liberdade Religiosa. Já na quinta-feira (20), a programação iniciou com uma roda de conversa sobre as mudanças que a pandemia trouxe ao Direito, com a participação dos professores Raquel von Hohendorff, Wilson Engelmannn, Daniele Weber da Silva Leal, Águeda Bichels e Paulo Junior Trindade dos Santos. Na continuação do evento, falou-se em Gênero, Fake News e aspectos do Direito Penal.

No último dia, sexta-feira (21), ainda teve espaço na programação para um assunto novo, o que pode sugerir um novo campo de atuação para o advogado, o Compliance. Também houve espaço para assuntos palpitantes como o Direito à Cidade, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e as notícias fraudulentas que remetem a um discurso do ódio, o que trouxe um amplo debate sobre a Liberdade de Expressão.  Para finalizar a semana de palestras, o advogado e professor universitário da PUC-RS, Darci Guimarães Ribeiro, abordou os desafios para o profissional do Direito. Essa palestra também pode ser vista no Youtube da Unoesc Oficial.