Ir ao cinema e sair com raiva por ter pagado para assistir a um filme ruim que não cumpriu com a sua expectativa. Atire a primeira pedra quem nunca passou por isso. É algo que nos deixa muito chateados – para não usar um palavrão.

Agora pensa em dois amigos que, depois de assistirem aos musicais Xanadu (1980), com Olivia Newton-John e A Música não Pode Parar (Can´t Stop the Music -1980), com a banda Village People, consideraram os filmes tão ruins que imaginaram que as outras pessoas, os outros possíveis espectadores, deveriam ser alertados sobre isso. Estes piores filmes precisavam ser identificados. Porém, até aquele momento, todas as premiações contemplavam apenas os melhores. E a Academia de Hollywood, para eles, se leva a sério demais. O que deixa espaço para uma premiação entregue com muito humor.

Foi assim que John JB Wilson e Mo Murphy, então estudantes de cinema da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), nos EUA, criaram o prêmio Framboesa de Ouro (The Golden Raspberry Awards), concedendo a comenda às piores produções cinematográficas. O nome é como fazer um barulho com a boca semelhante à flatulência: blowing a raspberry (expressão inglesa).

Já falamos, aqui no Blog, a respeito de diversas produções cinematográficas, apresentamos um serviço de streaming nacional, que oferece filmes de forma gratuita, indicamos filmes brasileiros que estão disponíveis na Netflix e obras literárias que foram levadas às telas de cinema. Pensamos que podíamos, agora, trazer esta história que envolve também um pouco de humor, ao lidar com filmes que acabaram chamando a atenção mais pelos erros de produção do que pelos acertos.

Premiação em 2021

Na edição da Framboesa de Ouro de 2021, a cantora Sia recebeu o prêmio de Pior Direção, por sua primeira produção –  Music (2021) – que recebeu os prêmios de Pior Atriz (Kate Hudson) e Pior Atriz Coadjuvante (Maddie Ziegler). O filme traz a história de Zu que, depois da morte da avó, precisa cuidar da meia-irmã Music, uma jovem com espectro autista. A crítica ao filme é focada em como a produção trata do autismo, com uma atriz jovem, sem autismo, e abordando um tratamento que a comunidade médica não recomenda – a contenção. No início do ano, a cantora australiana pediu desculpas, por meio das suas redes sociais, por estes erros de produção.

Apesar de Music (2021) ter sido o filme que recebeu mais prêmios, não conseguiu ser pior que Absolut Proof (2021), que pode ser traduzido literalmente como Prova Absoluta. A intenção é ser um documentário onde se comprovaria que as eleições norte-americanas de 2020 – vencida pelo Democrata Joe Biden – teria sido fraudada. A produção foi motivo de crítica pela imprensa especializada nos Estados Unidos, que questiona, inclusive se pode ser considerado um documentário, e atribui fragilidade aos argumentos utilizados por Mike Lindell, empresário de uma fábrica de travesseiros (My Pillow) e apoiador do ex-presidente Donald Trump.

Outros três filmes também mereceram prêmios esse ano. Em Borat: Fita de Cinema Seguinte (2020), foi encontrada a Pior Combinação de erros. O filme mostra o jornalista Borat Sagdiyev, do Cazaquistão, em uma empreitada para voltar aos Estados Unidos durante a pandemia do novo Coronavírus. Porém, durante as filmagens, o ator Sacha Baron Cohen, que interpreta o personagem principal, conversou com diversas pessoas que não sabiam que estavam participando da produção. De alguma forma, foi o que rendeu o prêmio ao filme. A “filha de Borat” finge estar interessada em Rudolph Giuliani, ex-prefeito de Nova Iorque e advogado de Donald Trump, em uma coletiva que está sendo dada em um hotel. O político acompanha a “jornalista” até o quarto dela, leva bebida para a conversa e deita na cama com a mão dentro da calça. Esta é a cena premiada.

Também foi premiada a pior sequência ou remake. Dolittle (2020) foi o escolhido da vez. John Dolittle (Robert Downey Jr ) vive recluso com seus animais – um gorila, um avestruz, um papagaio, entre outros – depois da morte da sua esposa. Até ele ser acionado para uma missão especial: encontrar o único fruto que pode salvar a vida da rainha. Para isso, ele leva seus animais, com quem conversa, para uma ilha misteriosa, onde se passa a “aventura”. Porém, o humor não funciona, há erros de continuidade e a interação com os animais não acontece como deveria.

365 dni (2020) foi muito visto na Netflix. Podemos dizer que se trata de um filme erótico que romantiza o estupro e sublima o homem predador. O sexo é um tema polêmico, quanto a isso, todos concordam. Porém, já foi tratado de um jeito melhor, abordando questões culturais, até mesmo fazendo denúncia, em outras produções. Mas não é este o caso. Tudo que se pode falar sobre o Pior Roteiro do ano: um homem se apaixona por uma mulher desconhecida, a sequestra e tenta forçá-la a amá-lo. Faz isso de forma abusiva. A vítima teria desejos reprimidos, e o predador a força a ter relação sexual com ele diariamente, até que ela se convença de que o ama.

 

Vencedores do Oscar e do Framboesa de Ouro

O fato é que ninguém está livre de receber indicação ou mesmo ser premiado como “o pior do ano. ” Fizemos uma seleção com nomes bastante conhecidos de quem acompanha as produções norte-americanas que tiveram a honra de receber prêmios tanto como melhores quanto como piores em suas carreiras.

Inclusive Marlon Brando, oito vezes indicado e duas vezes agraciado com a estatueta mais disputada pela classe cinematográfica de Hollywood. Brando recebeu o Oscar de Melhor ator por Sindicato dos Ladrões (1954) e O Poderoso Chefão (1972). Mas isso não o tornou imune a receber o prêmio de pior ator coadjuvante por A Ilha do Dr. Moreau (1996).

A vida é Bela (1997), o sensível filme do italiano Roberto Benigni foi o grande vencedor do Oscar de 1999, levando os prêmios de Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Ator e Melhor Trilha Sonora Original, além de outras quatro indicações (filme, diretor, roteiro original e montagem). Porém, isso não concedeu imunidade a Roberto Benigni, que recebeu o prêmio de Pior Ator por Pinochio (2002), antes disso, foi indicado como Pior Revelação em O Filho da Pantera Cor-de-Rosa (1993).

Al Pacino ganhou o Oscar de melhor ator por sua atuação em Perfume de Mulher (1992). Porém, não obteve o mesmo sucesso em Cada um tem a Gêmea que Merece (2011). Produção de Adan Sandler, quando recebeu duas Framboesas de Ouro – Pior Ator Coadjuvante e Pior Casal: Al Pacino e Katie Holmes.

Apesar de Faye Dunaway ter recebido o Oscar de Melhor Atriz por Rede de Intrigas (1976), a sua atuação em Mamãezinha Querida (1981) lhe rendeu o Framboesa de Ouro de Pior Atriz. Até hoje, ela não gosta de comentar sobre isso. Porém, não foi a única premiação negativa da sua carreira. Ela voltou a receber o prêmio de Pior Atriz Coadjuvante por sua atuação em Ambição Fatal (1993).

Nem mesmo Liza Minelli, vencedora do Oscar de Melhor Atriz em Cabaret (1972), escapou de ser a vencedora de dois Framboesas de Ouro, em dois anos seguidos por sua participação em Um Tira de Aluguel (1987) e Arthur 2, um Milionário Arruinado (1988).

Podemos dizer que Ben Affleck foi multiplamente premiado. Em 1997, Gênio Indomável (1997) rendeu ao ator as estatuetas de Melhor Roteiro Original e Melhor Filme, prêmio que voltou a receber por Argo (2012). Entre um e outro, foi merecedor de dois prêmios negativos por Contato de Risco (2003): Pior Ator e Pior Casal, com Jennifer Lopez. Porém, o júri do Framboesa de Ouro resolveu oferecer a ele o Prêmio Redentor, duplamente em 2015 pelos sucessos de Argo (2012) e Garota Exemplar (2014).

 

Maiores vencedores

Madonna e Silvester Stallone poderiam ser chamados também de Casal Framboesa como os recordistas absolutos em prêmios, incluindo Pior Atriz e Pior Ator do Século. Ele ainda foi contemplado com o Razzie Award de Pior Ator da Década de 1980, por suas atuações pífias em Cobra (1986), Lock Up (1989), Over the Top (1987), Rambo: First Blood Part II (1985), Rambo III (1988), Rocky IV (1985), Rhinestone (1984) e Tango & Cash (1989).

Madonna, por sua vez, recebeu seis prêmios com o seu primeiro filme. Destino Insólito (Stwep Away, 2003) foi merecedor dos prêmios de Pior Filme, Pior Diretor, Pior Remake, Pior Atriz, Pior Atriz coadjuvante e Pior Casal (com Adriano Gianinni).

Depois da terrível década de 1980, Stallone ainda foi contemplado com esta lista: Pior Ator em Stop! Or My Mom Will Shoot (1992); Pior Casal, com Sharon Stone, em The Specialist (1992) e Pior Ator coadjuvante em Spy Kids 3-D: Game Over (2004).