Foi-se o tempo em que o estudante chegava na escola, com o seu uniforme impecável, cabelinho lambido, sentava-se à carteira e olhava para a frente. Ouvia atentamente a tudo o que o Mestre lhe ensinava. No seu caderno, copiava tudo o que estava escrito no quadro, a giz. Recebia o exercício, cuja cópia era feita em mimeógrafo, respondia quase sem questionar. Parece cena de filme, mas por muito tempo a realidade da educação foi essa. Ao aluno cabia apenas ouvir e decorar a lição para então realizar uma prova. Caso houvesse desalinho com as regras, havia punição.

Para a sorte das novas gerações, este cenário ficou no passado. Hoje, os educadores pensam e agem diferente. Os tempos são outros. A tecnologia domina o nosso tempo e não há como aprender e ensinar longe dela. O que se usa na atualidade são as Metodologias Ativas. O aluno está no centro do aprendizado, ele é o protagonista. Para isso, recebe estímulos, é provocado e questionado. Ele precisa buscar as respostas para as suas inquietações.

Quem nos conta mais sobre como funcionam essas Metodologias Ativas é a professora Noêmia Pizzamiglio, coordenadora da Pós-graduação (especialização) que leva esse nome, disponível na Unoesc Capinzal. Ela diz que a universidade trabalha nesta perspectiva há alguns anos, por meio do Núcleo de Apoio Pedagógico (NAP), que desenvolve capacitações junto aos professores da instituição, no intuito de potencializar esta dinâmica.

 

Nós, educadores, somos desafiados diante deste cenário de pandemia, e o distanciamento social a que estamos submetidos nos leva a repensar a forma de pensar a educação, introduzindo práticas inovadoras. Nesse sentido, a especialização em Metodologias Ativas proporciona ao profissional estar preparado para atuar em qualquer circunstância, sobretudo no que se refere às tecnologias e metodologias.

 

Noêmia concorda que a escola precisa de profissionais capacitados para lidar com alunos que nasceram na Era Digital, que dominam esta linguagem porque nasceram com ela. Por isso a importância de se ensinar dentro deste viés metodológico.

 

Através das metodologias ativas, o aluno é estimulado a desenvolver sua autonomia, reflexão, autoaprendizagem, pensamento estratégico, que possibilitam a construção de novos conhecimentos. A vantagem é que o aluno pode aprender mais e exercitar o seu pensamento.

 

As metodologias ativas são fundamentais neste processo, uma vez que oportunizam ao aluno ser personagem principal e o maior responsável pelo processo de aprendizado, de forma dinâmica, atualizada, aprender e intervir na comunidade. A partir deles, das suas questões cotidianas é que se dá o aprendizado. A professora Noêmia relata que, nesse sentido, a Cultura Maker é uma grande aliada:

 

A cultura Maker surge como uma grande aliada à aprendizagem, possibilitando à escola se tornar um grande espaço Maker, valorizando a prática, o pensamento crítico no desenvolvimento de atividades. Ela preza pelo desenvolvimento do espírito investigativo, resolução de problemas e capacidade de inovação.

 

Dessa forma, a coordenadora da Pós-graduação em Metodologias Ativas garante que a cultura Maker propicia  muito mais liberdade para criar e experimentar a sensação de ser o autor da obra, o que pode  ser aplicado em diversos cenários, o que torna os estudantes mais propensos, engajados e corajosos para um cenário em que a capacidade criadora, o empreendedorismo e a inovação são imprescindíveis para o sucesso profissional.

 

O movimento Cultura Maker é uma evolução do Do it yourself  (Faça você mesmo), não esperar que o professor entregue o conhecimento pronto, até porque, tal cultura, acredita no potencial de aprendizagem por construção, não por transmissão.

 

Percebe-se, com isso, que a educação evoluiu muito nas últimas décadas. O cenário educacional aponta para a necessidade de formar sujeitos criativos, colaborativos e críticos, capazes de trabalhar em grupo e de enfrentar e solucionar problemas. Para o sucesso nessa trilha, o aprendizado ativo é essencial e requer estratégias inovadoras.

 

Para desenvolver estratégias inovadoras de ensino é necessário conhecê-las, ter vivências e depois ser ousado para aplicá-las no ambiente educativo. O uso de tecnologia na sala de aula pode modificar o modo de pensar, ensinar, aprender e até mesmo de ver o mundo. Mas, essa mudança está intimamente relacionada à capacidade criativa, uma vez que não é a tecnologia que traz inovações para a sala de aula, mas sim o papel de guiar e estimular os alunos a encontrarem por si mesmos o que buscam, a colocar tais tecnologias ao serviço de resolver os problemas que se apresentam no cotidiano pessoal e profissional.

 

Pós-graduação em Metodologias Ativas

 

A proposta da especialização pretende possibilitar aos licenciados uma reflexão no que diz respeito à forma de pensar a educação e as metodologias utilizadas, numa perspectiva de superar a aprendizagem individual, condicionada e, por vezes, reprodutiva.

 

O objetivo do curso é trazer ao cenário educativo um olhar arrojado no que tange novas possibilidades de processo pedagógico, com ferramentas diferenciadas, com conhecimento e dinâmica para colocá-las à serviço da aprendizagem para este novo cenário que se apresenta.

 

Portanto, o cursista tem a oportunidade de conhecer tais metodologias inovadoras, com foco no fazer pedagógico em que seja possível combinar conceitos, técnicas e ferramentas inovadoras utilizadas para a construção do saber e resolver problemas cotidianos.