Entre os dias 19 e 23 de outubro – de segunda-feira a sexta-feira – a Unoesc promoveu o Circuito Regional de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento – Inteligência Artificial – a Nova Fronteira da Ciência Brasileira. Respeitando a pandemia do Novo Coronavírus (Covid-19), o evento científico foi realizado de forma virtual. E, de acordo com o professor Cesar Baratto, responsável pela assessoria aos avaliadores do CNPq, a participação superou as expectativas:

 

Contamos com um resultado histórico de trabalhos submetidos e aprovados neste evento. Foram socializados 496 atividades de Pesquisa, 455 de Ensino e 74 de Extensão, totalizando 1025 trabalhos submetidos por acadêmicos, professores, egressos e pesquisadores da Unoesc. O evento já contabilizou mais de 18 mil participações e interações.

 

As pesquisas desenvolvidas abrangem todas as áreas do conhecimento, porque são resultados do processo de formação dos acadêmicos na Unoesc. Esse é um dos diferenciais que a Universidade oferece, haja vista que as faculdades e Centros Universitários estão desobrigados de produzir conhecimentos, sua atuação circunscreve-se mais na replicação deles. A produção científica gera debates e soluções para a vida das pessoas e para o desenvolvimento das comunidades, em especial local e regional.

 

De forma geral, podemos observar que as pesquisas estão inseridas no contexto social e econômico da região, dessa forma, os resultados obtidos apresentam uma aplicabilidade e potencialidade de desenvolver solucionar problemas local e regional. Mas ao mesmo tempo, com potencialidade de replicação e aplicação em outras regiões do país e até internacionalmente, porque se há algo altamente globalizado hoje, é a Ciência

 

O professor Cesar ressalta a importância de a Unoesc incentivar e desenvolver pesquisas de ponta, com a utilização de equipamentos e ferramentas de grande potencial tecnológico. Somado a isso está o caráter inovador e empreendedor das pesquisas, propondo a aprimoração dos processos, além da possibilidade do aumento da competitividade do setor industrial, agroindustrial e produtivo. Isso tudo pode desencadear na criação de empregos e no desenvolvimento socioeconômico da região. Baratto destaca os trabalhos apresentados:

 

Há um trabalho intitulado “Alimentos e sistema de produção: impacto na qualidade do leite”, apresentado pela bolsista (PIBIC) Géssica Ribeiro Soares, da Unoesc Xanxerê, que visa melhorar a qualidade na produção leite; outro intitulado “Saúde mental da cuidadora de familiar com Alzheimer” desenvolvida pela bolsista (PIBIC) Márcia Menegat, da Unoesc Chapecó, que apresenta um importante apanhado especialmente para doenças tá presentes na região e nossas famílias onde observa-se o envelhecimento da população. A pesquisa “Desenvolvimento de molho de carne para o mercado pet com adição de Saccharomyces boulardii microencapsulada” desenvolvido pela Bolsista (PIBITI) Nathalia Candiago, da Unoesc Videira, que visa o reaproveitamento de resíduos da agroindústria para desenvolver alimentação com alta qualidade e funcional que permite a melhora da saúde para animais, realizado em parceria com empresas da região. E, há também a pesquisa que avaliou a saúde dos trabalhadores rurais expostos a agrotóxicos, do Bolsista PIBIc do curso de medicina de Joaçaba, Rodolfo Varaschin Rodrigues.

 

A boa notícia é que, mesmo depois que o evento estiver concluído, ainda poderemos ter acesso a estes trabalhos, às apresentações dos pesquisadores. Tudo isso através da página do evento. Lá poderemos escolher a área que nos interessa e ficar por dentro do que a universidade tem produzido bem perto de nós e que pode vir a mudar a forma que encaramos o mundo e as soluções para os seus conflitos.

 

A Iniciação Científica é a modalidade de pesquisas acadêmicas que permite ao graduando conhecer e despertar seu potencial ou vocação para a pesquisa. Isso propicia o surgimento de talentos dentre os estudantes, fortalecendo a ciência e o desenvolvimento científico, que é a força motriz de qualquer sociedade moderna, afinal tudo o que usamos no dia-a-dia passou pelo processo de pesquisa.

 

Dessa forma, finaliza o professor Cesar Baratto, tanto a universidade quanto a sociedade ganham com estes projetos de pesquisa  desenvolvidos por estes acadêmicos – graduandos e pós-graduandos. Ampliando o conhecimento, qualificam-se para continuar seus estudos. Temos aí um importante direcionamento onde as pesquisas desenvolvidas possuem o intuito de resolver os problemas da comunidade, ou seja, locais seja sociais, econômicos e de saúde.