O perito criminal farmacêutico tem uma contribuição importante na elucidação de crimes. Os seus conhecimentos em Química, Biologia, Farmacologia e suas experiências com análises laboratoriais auxiliam no esclarecimento dos crimes. As principais instituições que abrem concursos para este profissional são a Polícia Federal e a Polícia Civil. A média salarial gira em torno de R$ 16 mil.

Você quer saber mais sobre o que faz um perito criminal e as possibilidades de carreira? Confira, a seguir, a entrevista com o coordenador do curso de Farmácia da Unoesc São Miguel do Oeste, doutor Eduardo Ottobelli Chielle.

 

1) Qual o perfil do perito criminal farmacêutico?

O perito criminal farmacêutico é o profissional que atua em uma das áreas periciais e seu papel consiste em cuidar de análises toxicológicas, tendo como atribuição sua formação para atuar em áreas clínicas.

As atividades do perito são consideradas de grande complexidade e cobertas de responsabilidade e formação. Portanto, o profissional deve gostar de análises laboratoriais, ser curioso e detalhista, ter raciocínio rápido e multidisciplinar, apresentar interesse em pesquisa e gostar de áreas como: Química, Física e Biologia.

 

2) Quais as funções desempenhadas pelo perito criminal farmacêutico?

O profissional farmacêutico possui aptidão para atuar como perito assistente técnico, considerando que sua formação garante conhecimentos em análise de amostras biológicas (sangue) ou não biológicas (droga ou veneno). Seus conhecimentos seguem parâmetros dentro da análise de um laudo pericial, que permitem analisar os resultados apresentados no documento. Seu papel é compreender as informações descritivas para a produção de uma lauda pericial com dados claros e objetivos.

O perito pode acompanhar perícias em locais de infração penal, assim como pode obter informações conclusivas, por meio da toxicologia forense. Os exames biológicos também são aplicados ao trabalho desse profissional, que pode, por exemplo, identificar a presença de drogas no sangue.

Além disso, podem investigar falsificações ou adulterações de medicamentos comercializados; fazer a análise e investigação de acidentes químicos; exame de determinados instrumentos utilizados em infrações penais e esclarecer condutas em ações criminosas.

 

Áreas de atuação do farmacêutico na perícia

 

Entomologia: aplicação de conhecimentos técnicos e científicos em procedimentos investigativos criminais.

Química: o perito farmacêutico pode avaliar provas periciais, a partir da análise de substâncias, como drogas (lícitas e ilícitas), adulteração de alimentos, explosivos, pólvoras resilientes de disparos de armas de fogo, etc.

Genética/DNA: o profissional pode usar seus conhecimentos técnicos e científicos de genética e biologia molecular. Essa análise pode ser aplicada em testes de paternidade, plantas e micro-organismos, provas ou até mesmo em cadáveres.

 

Toxicologia: esse profissional tem habilitação para compreender agentes tóxicos em matrizes biológicas. O teste é muito comum para identificar substâncias lícitas ou ilícitas e drogas que atingem o sistema nervoso central.

Hematologia: pode também analisar tipos de sangue em pessoas, assim como classificar a tipagem sanguínea.

Bromatologia: por fim, outra área de atuação de importância desse profissional é analisar e identificar possíveis falsificações, adulterações ou qualquer tipo de alteração em alimentos ou bebidas. Seu papel é comum em processos ligados à defesa do consumidor.