Comunicar-se é fundamental para quem quiser se fazer entender. Desde os primórdios o ser humano se utiliza de símbolos, grafias e sons para interagir com o outro. No decorrer dos anos fomos nos adaptado e nos aperfeiçoando. Com a ascensão das mídias sociais tornou-se impossível não reconhecer o poder de uma boa comunicação e apresentação. Quem não é visto não é lembrado, essa máxima pode ser umas das definições da atualidade.

Independentemente da profissão que se pretende seguir é importante analisar que para haver sucesso e crescimento profissional, uma boa comunicação é fundamental, já que parte do resultado esperado vai depender dos argumentos, apresentação e eloquência que se dará através do interlocutor.

Seja numa entrevista de emprego, a frente de uma empresa, gerenciando uma loja, construindo prédios, tudo o que se fizer estará intrinsecamente entrelaçado com a comunicação, que de fato pode ser bem mais complexa e interdisciplinar do que se supõe.

Nesse sentido, vale lembrar que a internet revolucionou o jeito de se fazer comunicação, através dela é possível trocar informações sob as mais diversas formas, de maneira instantânea e planetária. O sociólogo Pierre Lévy em seus estudos afirma que os que ocupam muito espaço na internet não tiram nada dos outros. Há sempre mais um lugar.

Dessa forma, é possível afirmar que haverá lugar para todo mundo, todas as culturas, todas as singularidades, indefinidamente. Segundo esse pensamento, a rede conecta a todos num amplo espaço, permitindo e aceitando um infinito número de possibilidades, já que não existem barreiras territoriais, tão pouco limites de acesso e exploração desse meio.  A linguagem é única: a digital.  Lévy afirma ainda, que a web anuncia e realiza, progressivamente, a unificação de todos os textos em um único hipertexto, a fusão de todos os autores em um único autor coletivo, múltiplo e contraditório. Segundo o autor, não há mais que um único texto: o “texto humano”

Mesmo aqueles que pretendem largar tudo e “vender miçangas” na praia precisarão saber comunicar-se muito bem para fazer isso. Não é por acaso que cada vez mais empresas e grandes corporações perceberam essa necessidade de entender e conhecer seu público e acima de tudo aprender a dialogar com ele. A Netflix, plataforma de entretenimento via streaming, é um bom exemplo de como utilizar dos meios de comunicação, mídia social para alcançar um alto índice de aprovação de seus clientes, outro exemplo, é a prefeitura de Curitiba, que a algum tempo inovou em suas postagens de comunicação institucionais com criatividade e bom humor, misturando atualizações com referências à série de tv, memes e vídeo game.

Sendo assim, a comunicação, num víeis empresarial, não deve ser ensinada como sendo apenas uma ferramenta que serve para influenciar os diferentes públicos, mas sim como uma estratégia alinhada ao planejamento e ao posicionamento de determinada empresa. Ela deve ser parte integrante da identidade da organização, de suas metas e objetivos para representar, da melhor forma, sua imagem e consolidar sua reputação.

“O texto humano”, existe com suas nuances e contradições, é democrático e plural, ainda estamos aprendendo a navegar nesse mar de informações e independente de como nos comunicamos seja com um viés empresarial ou pessoal é indispensável compreender e enxergar na comunicação o desejo intrínseco de não se sentir solitário, e perceber que comunicar é sobretudo, criar um vínculo de afeto com o outro.