Dissertar é o que fazemos em nosso cotidiano quando debatemos um assunto, discutimos, opinamos, tentamos convencer através da exposição de argumentos. Não raras vezes, polemizamos, apresentamos causas, consequências, fazemos análises, concluímos. Compor uma dissertação é, portanto, expressar nossas ideias sobre um tema, apresentando pontos de vista em defesa de nossas opiniões, por isso, essa modalidade caracteriza-se pela presença de argumentação que, diante de um tema polêmico, apresenta uma tese, apoiada em fatos a fim de convencer o leitor.

Assim, essa escrita exige convencimento, dados comprobatórios, citações lógicas e cabíveis, exemplos, comparações, analogias e embasamento teórico.

Os argumentos podem se basear em experiência pessoais do autor, leituras, testemunhos de autoridades no assunto, evidências facilmente comprováveis ou julgamentos bem embasados.

Uma dissertação precisa possuir uma estrutura, apresentando requisitos como unidade, coesão, coerência, clareza, originalidade, correção gramatical, uso da língua padrão, introdução ao assunto, desenvolvimento das percepções e um desfecho.

Como iniciar?

Delimite o tema         

A primeira questão consiste em identificar o tema a respeito do qual vai se escrever. É imprescindível delimitar o assunto, com a maior exatidão possível, pois começar a escrever sem saber claramente sobre o que irá dissertar é complicado. Se não compreendermos bem o tema, não contextualizarmos e sem definir o assunto a ser abordado, pode-se perder inteiramente uma argumentação. Este é, inclusive, o primeiro critério básico para a avaliação de um texto dissertativo: a adequação ao tema.

Obs.: tema e título são diferentes. Enquanto o tema é o assunto sobre o qual você irá escrever, ou seja, a ideia geral que será defendida ao longo de seu texto, por outro lado o título é a expressão, curta, apenas uma referência ao assunto.

Observe a diferença:

Tema:

Tem-se notado nos últimos tempos, um crescente interesse dos jovens em participar da vida política de seu país, abarcando assim, seu papel de cidadão que tem seus deveres, mas também está consciente de seus direitos. 

Título:

A Juventude na Política

Agora a escrita da sua Dissertação

 Linguagem: Precisa ser denotativa, isto é, preocupada com a informação; ser  impessoal (não ter verbo conjugado nas pessoa(s) do discurso: eu, nós), e objetiva, com emprego da forma culta e formal da língua, o que não significa não usar recursos poéticos, históricos e recursos linguísticos, uma vez que todo enriquecimento é importante. Ex.: O conto de H. G. Wells transmite a ideia que em terra de cego quem enxerga é um sonhador. Em relação do ditado popular “Em terra de cego quem tem um olho é rei”, existe um antagonismo básico entre as duas ideias. Na primeira, os cegos são os beneficiados, na segunda são os prejudicados […]

[…] De acordo com o autor da dissertação, numa sociedade em que todos compartilham da mesma visão, aquele que enxerga de forma diferente é considerado um sonhador, um visionário ou um louco. Ao mesmo tempo, essa sociedade toma para si o direito de corrigir o indivíduo, impondo-lhe sua verdade como absoluta. […]

Originalidade: Ser original significa fugir do comum, das frases feitas, copiadas, das ideias vulgares, do senso comum. Fuja dos clichês já tão explorados como “o Brasil é um país de contrastes” ou “a corrupção reinante no país […]” etc. Inove, apresente percepções que chamem a atenção e que façam o leitor querer ler o que você escreveu até o final.

Clareza: Fuja da ambiguidade, das frases com duplo sentido, evite períodos muito longos ou curtos demais, excessos de detalhes e explicações desnecessárias, primando pela coesão.

Coerência: Revise as frases no texto para que tenham sequência lógica nas ideias, em seus argumentos e justificativas, tendo em vista sempre o foco, o ponto de vista, o assunto abordado e defendido. Um texto coerente apresenta um início (levantamento das ideias, apresentação do que virá), um desenvolvimento (exposição das ideias, argumentações, embasamento) e um fim (desfecho, conclusão das concepções apresentadas, solução para o problema abordado).

Parágrafos: Embora o número de parágrafos seja determinado pelo tipo de texto, o dissertativo pode conter de quatro a cinco parágrafos, se contiver de 20 a 25 linhas. Normalmente quando se muda de argumento, muda-se o parágrafo. Deve ter um parágrafo para a introdução ao tema; outros dois ou três para o desenvolvimento das ideias relativas a este tema; e um último para finalizar, fechar.

Título: Além da frase inicial de seu texto, ele é a chave para que as pessoas se interessem por aquilo que você tem a expressar. Com o tema definido, escreva seu texto e só depois, crie um título para ele. Você verá que haverá muitas possibilidades originais que no início nem passaram pela sua cabeça. Escreva-o com as iniciais em maiúsculas (menos artigos e preposições, além de monossílabos átonos) ou todo em maiúsculas.

Lembre-se: título não tem ponto final! E deixe sempre uma linha ou espaço entre ele e a introdução de seu texto. Ele deve ser um resumo do tema a ser abordado.

Espero ter ajudado a você elaborar textos cada vez melhores.

Nilva M. O. Farias Silva

Professora de Produção de Textos

Unoesc Videira

 

 

 

Deixe seu comentário pelo Facebook